ELEIÇÕES

Guilherme Boulos: "A eleição não está ganha e Bolsonaro pode crescer"

O líder do MTST também afirmou que a sua pré-candidatura ao governo de São Paulo está mantida

Créditos: Ricardo Stuckert
Escrito en POLÍTICA el

Em entrevista ao Fórum Onze e Meia desta sexta-feira (11) o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos (PSOL) declarou que a "unidade da esquerda em torno da candidatura de Lula não pode ser uma imposição", mas sim uma construção programática e que a sua pré-candidatura ao governo de SP está mantida. Além disso, o líder do MTST também salientou que o clima de "já ganhou" é perigoso para a eleição presidencial deste ano. 

"Nós temos que tomar um cuidado especial com o clima de já ganhou. É evidente que o Lula (PT) é o favorito para ganhar as eleições. As pesquisas mostram isso, mas o ‘DataBoteco’ mostra isso, qualquer lugar que você vá na rua, quando você conversa com as pessoas, a inflação, o desemprego, o desastre da pandemia, tudo isso dá um favoritismo para o Lula e uma rejeição muito alta para Bolsonaro. Agora, a eleição não está ganha e o Bolsonaro pode crescer", alertou Boulos. 

Questionado sobre os encaminhamentos do apoio do PSOL à candidatura de Lula, Boulos afirmou que defende a aliança com o PT, mas que ela não pode ser "imposta" e sem discussão programática. 

"A minha posição é pública: eu defendo o apoio a candidatura do Lula, tenho trabalhado no PSOL para que apoie o Lula e a tendência do PSOL, já indicada no Congresso, fortalecida pela executiva nacional, é o apoio ao Lula. Defendo também que o PSOL coloque a sua agenda, elementos que levem à esquerda. Coligação, formação de unidade não pode ser confundida com adesismo. O Lula é que tem melhores condições de derrotar o Bolsonaro, mas o papel do PSOL é colocar agendas que até podem ser incômodas para aliados de centro-direita com quem o Lula também está dialogando, mas que são necessárias para o país”, explicou o líder do MTST. 

“O PSOL colocou três pontos: 1) revogação da reforma trabalhista, do teto de gastos, enfim, das medidas pós-golpe; 2) reforma tributária progressiva com taxação de fortunas, lucro e dividendos, tributação sobre patrimônio e renda dos super ricos; 3) uma agenda ambiental ousada com compromisso de desmatamento zero, agroecologia e transição energética. É fundamental que a esquerda faça disputa programática. Estou bastante otimista que a gente consiga garantir essa unidade, com o PSOL compondo com o Lula e, ao mesmo tempo, incorporando à campanha do Lula temas mais fortes do ponto de vista programático à esquerda", disse Boulos. 

Guilherme Boulos também falou sobre a sua candidatura ao governo do estado de São Paulo e sobre as especulações de que ele pode desistir da disputa e concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados Federais. 

"Eu sou pré-candidato ao governo do estado de São Paulo. É uma decisão [desistir da pré-candidatura] que não é apenas partidária, mas que também passa por um elemento natural e é natural que seja assim em uma candidatura majoritária. É óbvio que para o campo progressista o melhor seira todo estar junto, mas nem sempre isso é possível. A unidade demanda gestos de todos os lados", disse Boulos.