Celso Amorim sobre desfile militar de Bolsonaro: “Só pode ser visto como ameaça”

Para ele, “é inconveniente. Tanque na rua não é coisa boa. Só no sete de setembro e mesmo assim tem gente que reclama”

O ex-ministro da Defesa, Celso Amorim, comentou durante entrevista ao programa Fórum Onze e Meia, nesta terça-feira (10), sobre o desfile militar promovido pelo governo de Jair Bolsonaro (Sem Partido) na Esplanada dos Ministérios. Para ele, “é inconveniente. Tanque na rua não é coisa boa. Só no sete de setembro e mesmo assim tem gente que reclama”.

“É inconveniente. É muito inconveniente, muito impróprio pra uma democracia. Tanque na rua não é coisa boa. Só no sete de setembro e mesmo assim tem gente que reclama que estraga o asfalto”, afirmou.

Amorim lembra que “a própria demonstração de força já é considerada uma ação militar. A carta da ONU quando elenca as possibilidades de ação militar diz isso. A demonstração de força dentro de uma situação de tensão é uma ação militar”. Ele afirma que “aqui no Brasil, a gente tem uma crise entre os poderes, diferenças muito marcadas e quando o governo coloca os tanques nas ruas é como se estivesse demarcando: ‘olha, nós aqui temos essa força. Vocês como é que são? Mostrem aí os seus blindados’. Nós não temos. Nem o Legislativo nem o Judiciário. É muito grave como sinalização, isso nunca aconteceu desde 1988”.

Para o ex-Chanceler, “o problema de lidar com Bolsonaro é que ele é sempre meio ambíguo, é difícil você distinguir o que é teatro do que é realidade, do que é pra valer. Mas isso deve ser discutido, pois é preocupante”.

“É como ficar mostrando arminhas, só que dessa vez as arminhas são tanques das Forças Armadas brasileiras. E isso é muito ruim pras próprias Forças Armadas. A missão delas é defender o país, é pra poder se defender de forças estrangeiras. E a passagem dos blindados em frente ao Palácio do Planalto em um dia de tensão, em que vai haver uma votação que provavelmente será contra aquilo que o presidente tem defendido insistentemente, só pode ser vista como uma ameaça”, encerrou.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR