sábado, 24 out 2020
Publicidade

“O Brasil que Bolsonaro descreve não existe, e não existe por causa dele”, diz Dilma

Ex-presidenta aponta ao menos 12 mentiras ditas por Bolsonaro em discurso na ONU. "Ele dissimula de maneira contumaz e o faz por cálculo, não por ignorância", afirma

A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) compartilhou um artigo em suas redes sociais nesta quarta-feira (23) no qual aponta ao menos 12 mentiras ditas pelo presidente Jair Bolsonaro durante seu discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU. Para a petista, “o Brasil que Bolsonaro descreve não existe, e não existe por causa dele”.

“Praticamente não há uma sentença no discurso de Bolsonaro na ONU que não cometa pelo menos uma falsificação, uma manipulação, uma adulteração dos fatos”, afirma Dilma no início do texto. “Bolsonaro dissimula de maneira contumaz e o faz por cálculo, não por ignorância”, diz em outro trecho.

Entre as falsificações levantadas por ela, está a afirmação de que o governo Bolsonaro pagou 1 mil dólares para 65 milhões de brasileiros por meio do auxílio emergencial. “Mesmo somadas, as parcelas do auxílio emergencial estarão longe de totalizar mil dólares. Se cumprir o que anunciou, o governo terá pago, até o fim de dezembro, 5 parcelas de R$ 600 e no máximo 4 parcelas de R$ 300. Isto totalizará, na melhor hipótese, R$ 4.200, muito abaixo de mil dólares, que são R$ 5.470”, afirma.

Outro trecho desmentido pela ex-presidenta culpa indígenas e caboclos pela propagação das queimadas florestais no Brasil. “Praticamente todos os casos de incêndios na Amazônia e no Pantanal identificados ou suspeitos de ação criminosa foram cometidos por fazendeiros, grileiros e invasores de terras públicas e reservas florestais e terras indígenas”, diz Dilma.

Em entrevista à Fórum nesta quarta, o ex-ministro de Relações Exteriores e da Defesa nos governos Lula e Dilma Rousseff, Celso Amorim, disse que fala de Bolsonaro na ONU “lamentável” e distante da realidade. “Um discurso lamentável. Não sei nem se de vereador, porque vereador fala de coisas reais. É uma coisa quase que surreal. Se não soubéssemos que as coisas são tão distantes da realidade, o discurso era um nada”, disse.

Luisa Fragão
Luisa Fragão
Jornalista.