“Posição humilhante”: Haddad ironiza falta de comando de Bolsonaro

O presidente havia decidido demitir o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, mas recuou após fortes pressões

O ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, fez uma publicação na noite desta segunda-feira (6) ironizando a posição do presidente Jair Bolsonaro diante da crise interna em seu governo ao redor do Ministério da Saúde.

“Nunca tinha visto um presidente se colocar em situação tão humilhante”, escreveu o candidato do PT à presidência nas eleições de 2018.

O presidente havia decidido demitir o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, mas recuou após a pressão da ala militar do governo – em especial do ministro da Casa Civil e “presidente operacional”, Walter Braga Netto – e do Congresso Nacional.

A falta de comando do presidente virou assunto nas redes sociais. No domingo ele havia declarado que não tinha “medo de usar a caneta” e que ela seria usada contra pessoas que ” viraram estrelas e falam pelos cotovelos”. Mandetta revelou que chegou a esvaziar suas gavetas.

A exoneração seria publicada em edição extra do Diário Oficial na tarde desta segunda-feira logo após uma reunião com todos os ministros do governo e com o vice-presidente Hamilton Mourão. O DOU foi publicado sem a exoneração.

Desde a semana anterior se especula que o presidente esteja atuando como uma “monarca sem poder efetivo” com o sob intervenção de Braga Netto. Nesta segunda, apoiadores pediram para ele não virar “Rainha da Inglaterra”.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR