Guedes e a ideia fixa da Carteira Verde e Amarela

Nossa pauta no Congresso deve ser o retorno do auxílio emergencial, a exigência de um cronograma efetivo para a vacinação em massa, com o SUS contando com recursos efetivos, e políticas públicas de geração de trabalho decente.

A Guedes falta tudo, inclusive criatividade. Seu neoliberalismo retrógrado não tem acolhimento nem mesmo entre seus pares neoliberais.

Com o fim do auxílio emergencial e o aumento de contágio e mortes por Covid-19, a desigualdade no Brasil pode voltar aos patamares da década de 1980, a década perdida.

E o que Guedes quer propor? Ampliar a desigualdade, beneficiando patrões e retirando mais direitos dos trabalhadores com o contrato Verde e Amarelo. A proposta velha amplia isenções fiscais para empresários e reduz benefícios aos trabalhadores. O Fórum Sindical já abordou o assunto aqui e aqui.

Recordemos a análise do Dieese: é uma “bolsa-patrão” e “tem potencial para aumentar o desemprego e a precarização”. Seus dispositivos estimulam ainda mais a rotatividade, e amplia os efeitos negativos para a saúde e segurança do trabalhador.

O Brasil tem hoje 6, 8 milhões de trabalhadores vivendo de seguro-desemprego e o contrato Verde e aAmarelo onera esses trabalhadores exigindo que paguem a previdência.

De olho no Congresso

Neste 2021, Guedes mira o Congresso para repetir o que fez em abril do ano passado: em plena pandemia o Congresso aprovou a MP 905. A Central Única dos Trabalhadores – CUT e as demais centrais fizeram uma intensa campanha junto ao Senado contra a MP 905, apelidada pelos sindicalistas de MP da “Carteira da Escravidão”.

Diante da eleição para a presidência da Câmara e Senado, Guedes usa da imensa massa de trabalhadores em situação de vulnerabilidade, situação provocada pela política econômica de Guedes, que a pandemia apenas agravou, para forçar a aprovação do contrato Verde e Amarelo.

A mídia financista aborda o tema sem qualquer crítica, ao contrário, com um viés totalmente favorável à proposta. Os jornalões vendem o contrato Verde e Amarelo como um “regime simplificado de contratação”, como se o problema do desemprego no Brasil fosse a burocracia. De acordo com o Estadão: “Trata-se de um regime simplificado de contratação sem encargos trabalhistas e impostos, como a contribuição previdenciária“.

Num país onde a aposentadoria (depois da reforma da previdência do governo Bolsonaro) ficou mais distante do horizonte do trabalhador, patrão não contribuir de modo solidário com a previdência, para a mídia financista, é “desburocratização”.

O argumento de Guedes é o mesmo do governo Temer quando usou intensa campanha midiática para aprovação da reforma trabalhista, que ceifou cerca de 100 artigos da CLT: “empregabilidade em massa”.

Quatro anos de golpe nos mostraram que o argumento é uma falácia. A reforma trabalhista só gerou mais desemprego, precarização do trabalho, ampliou a desigualdade social e jogou o país na depressão econômica.

Nossa luta é pela vida e por trabalho decente

Há recursos para bancos que acumulam ano a ano bilhões de lucros e continuam demitindo abusivamente durante a pandemia, mas não há para auxiliar os trabalhadores num período onde a pandemia amplia o contágio e o número de mortos?

Nossa pauta no Congresso deve ser o retorno do auxílio emergencial, a exigência de um cronograma efetivo para a vacinação em massa, com o SUS contando com recursos efetivos, e políticas públicas de geração de trabalho decente.

Sem estas medidas concretas o Brasil não retomará o crescimento econômico.

A cantilena retrógrada do ultraneoliberalismo de Guedes, que não encontra apoio em nenhum lugar do mundo, com privatizações, sucateamento do SUS, ataque aos direitos só ampliará a recessão econômica e o número de mortos.

*Este artigo não reflete necessariamente a opinião da Revista Fórum
Avatar de Sindicato Popular

Sindicato Popular

O blog é uma parceria da Fórum com o Sindipetro-NF (Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense). Traz artigos e análises de temas de interesse dos trabalhadores.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR