500 mil mortes: total de óbitos por Covid no Brasil supera população da cidade de Santos

Para se ter uma ideia da dimensão da tragédia, toda a população da Islândia teria sido dizimada caso o país tivesse 500 mil mortes como o Brasil

Neste domingo (20), a triste marca atingida pelo Brasil no sábado (19) de 500 mil mortos em decorrência da Covid-19 repercutiu não só na imprensa brasileira como na internacional. Lideranças políticas foram à público para expressar solidariedade às famílias enlutadas, enquanto milhares de brasileiros saíram às ruas para protestar contra o governo de Jair Bolsonaro – o presidente, inclusive, não proferiu sequer uma palavra sobre a marca macabra.

Para se ter uma noção da tragédia – anunciada, já que o governo deixou de seguir recomendações científicas que poderiam evitar milhares de mortes – que o número de 500 mil óbitos representa, basta constatar o fato de que centenas de cidades brasileiras consideradas de médio porte possuem menos habitantes que o total de vidas perdidas para a doença do coronavírus.

A importante e famosa cidade de Santos (SP), por exemplo, possui atualmente 433.656 habitantes. A capital do Acre, Rio Branco, tem 413.418 moradores, enquanto Campina Grande, na Paraíba, tem população de 411.807 pessoas.

Ao todo, 276 cidades brasileiras de médio porte (que possuem de 100 mil a 500 mil habitantes) têm hoje menos população que o total de mortes em decorrência do coronavírus.

Há até menos países com menos habitantes que os óbitos da pandemia no Brasil. A Islândia, por exemplo, tem uma população total de 341.243 habitantes. Isto é, não precisaria nem mesmo chegar às 500 mil mortes que o Brasil chegou para que todo o país fosse dizimado. Em tempo, o país nórdico registrou, até o momento, 6.555 casos de Covid e 29 mortes em decorrência da doença.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR