VOTO E REPRESENTATIVIDADE

Parada do Orgulho LGBT volta às ruas de São Paulo e quer incidir nas eleições

O evento vai contar com a participação da cantora Pabllo Vittar, Mateus Carrilho, Ludmilla, Liniker, Maju, Gretchen, Tiago Abravanel, Lexa e Luiza Sonza

Parada do Orgulho LGBT volta às ruas de São Paulo e quer incidir nas eleições.
Escrito en LGBTQIAP+ el

Dois anos depois a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo está de volta às ruas e a sua 26ª edição acontece neste domingo (19) a partir das 10h na Avenida Paulista. Os trios começam a circular as 12h e irão percorrer o tradicional trajeto até a Praça Roosevelt, no centro da capital paulista. 

Este ano o tema da Parada LGBT de São Paulo é "Vote com orgulho - Por uma política que representa". Com este tema, o evento, que é considerado o maior do mundo e reúne milhares de pessoas, quer incidir no voto e claro, consequentemente, na eleição dos parlamentares, governadores e presidente da República.  

Uma das atrações da Parada este ano é a cantora Pabllo Vittar, que deve puxar coro contra o presidente Bolsonaro e, assim como tem feito em praticamente todos os shows, puxar coro em apoio ao pré-candidato do Partido dos Trabalhadores, Luiz Inácio Lula da Silva. 


Bolsonaro e a destruição das políticas pró-LGBT 

 

Ao trazer o tema do voto e representatividade para o centro da discussão, a Parada LGBT de SP acerta, pois, ao se tornar presidente da República, Jair Bolsonaro descontinuou todas as políticas LGBT que foram criadas durante as gestões de Lula (2002-10) e Dilma Rousseff (2010-16). 

Mas, além da questão do voto presidencial, também está em jogo a eleição de deputados estaduais e federais, senadores e governadores e, a depender do Congresso Nacional que for eleito, a vida das LGBTQIA+ pode ficar ainda pior. Sim, isso é possível. 

Falar do voto e da representatividade também é importante na composição das Assembleias Legislativas. Nos últimos anos, dezenas de projetos que tinham por objetivo criminalizar a vida LGBT pipocaram nas Assembleias ao redor do Brasil. Portanto, a comunidade LGBT, ao ser provocada a refletir sobre o seu voto, também é chamada à responsabilidade de evitar a eleição de parlamentares LGBTfóbicos e eleger LGBTs e aliados. 

Derrotar Bolsonaro e a extrema direita, além de garantir a permanência do sistema democrático, é também avançar na pauta dos Direitos Humanos e, em específico, nas LGBTQIA+. 

 

Outras atrações 

 

Além de Pabllo Vittar, também participam da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo: Mateus Carrilho, Ludmilla, Liniker, Maju, Gretchen, Tiago Abravanel, Lexa e Luiza Sonza. 

 

Confira abaixo a ordem dos trios: 

 

1-    Famílias LGBT+ – artista: Mariana Munhoz;

2-    Prefeitura de São Paulo;

3-    Diversidade Lésbica – artistas: Ana Dutra, Luana Hassen;

4-    Prefeitura de São Paulo;

5-    Diversidade Transsexual e Travesti – artista: Nick Cruz;

6-    Saúde (Aids Healthcare Foundation – AHF);

7-    Diversidade Bissexual – artistas: Ariah e Brunelli;

8-    Prefeitura de São Paulo;

9-    Diversidade Mais – artistas: Quebrada Queer, Thaline Karajá;

10-    Artistas da Noite;

11-    Diversidade Gay – artista: Kauan Russell;

12-    Vivo – artistas: Tiago Abravanel, bloco Agrada Gregos, Gretchen e Paullete Pink;

13-    Jean Paul Gaultier – artista: JoJo Todinho, Majur e as Pitayas;

14-    Amstel – artistas: DJ Heey Cat, Mateus Carrilho, Aretuza Love, Pocah e Luisa Sonza;

15-    Burger King e Avon – artistas: Pepita, Lexa, DJ Cris Negrini e Ludmilla;

16-    Smirnoff – artista a confirmar;

17-    Terra – artista: Liniker, MC Rebecca e Minhoqueens;

18-    Convidados Aliados;

19-    Diretoria da APOLGBT-SP e Mercado Livre – artista: Pabllo Vittar.

 

Serviço


Data: domingo (19)
Concentração: Avenida Paulista, a partir das 10h
Início: 12h
Trajeto: Av. Paulista, R. da Consolação e Praça Roosevelt
 

Temas